Conheça os anti-inflamatórios naturais!

Você já ouviu falar nos anti-inflamatórios naturais?

Quando pensamos em inflamação, logo nos vem à cabeça aquele dedo ou unha que, ao inflamar, fica avermelhado, inchado, quente e dolorido.

Porém, o corpo pode estar inflamado por dentro sem sintomas óbvios, os quais apenas um profissional cuidadoso através de um check-up de exames pode identificar. É uma inflamação sistêmica crônica de baixa intensidade, a qual identificamos em diversas doenças crônicas como a obesidade e nas doenças do coração, assim como no diabetes mellitus tipo 2.

É importante saber!

A inflamação é uma das doenças do século, tendo sido reconhecida em dezenas de circunstâncias, das doenças infecciosas às doenças e falências orgânicas (renal, hepática, cardíaca, pulmonar) e da obesidade ao câncer.

Nutrientes e alimentos anti-inflamatórios

Existem alguns tipos especiais de nutrientes que, ao serem incorporados no dia a dia, começam a fazer parte de nossas células e conseguem reduzir a intensidade do processo inflamatório de maneira natural, entre eles, a gordura do tipo ômega 3.

Os alimentos que controlam a inflamação são ricos em substâncias especiais, que também agem como antioxidantes, como alicina, curcumina, ácidos graxos ômega 3, fitoesterol e vitamina C, como:

  • Ervas aromáticas, como alho macerado, cúrcuma/açafrão, curry e cebola;
  • Peixes ricos em ômega-3, como atum, sardinha e salmão;
  • Sementes com ômega-3, como linhaça, chia e gergelim;
  • Frutas cítricas, como laranja, acerola, goiaba e abacaxi;
  • Frutas vermelhas, como romã, melancia, cereja, morango e uva;
  • Frutas oleaginosas, como castanhas e nozes;
  • Vegetaiscomo brócolis, couve-flor, repolho e gengibre;
  • Óleo de coco, abacate e azeite de oliva extravirgem

O processo inflamatório é bastante complexo já que envolve a produção de muitas moléculas no local inflamado que atraem e prendem as células do sistema imunológico no local, como macrófagos e leucócitos, e assim, começam a agredir a região afetada. No caso de uma entrada de vírus ou bactéria, esse sistema é vital para continuarmos vivos.

Porém, quando isto ocorre nos vasos sanguíneos por conta da alimentação inadequada e sedentarismo, pode contribuir com as placas de ateroma que levam às doenças do coração.

O que os pesquisadores dizem?

As pesquisas mostram cada vez mais que o aumento no consumo de ômega 3 reduz moléculas que atraem e fixam as células do sistema imunológico aos vasos sanguíneos, como por exemplo, o fator ativador de plaqueta (PAF) e leucotrieno B4. Além disso, ao produzir estes fatores inflamatórios, as células utilizam os ácidos graxos mais presentes nas células. Se houver alto consumo de ômega 3, serão mais ácidos graxos deste tipo que serão utilizados e, assim, o resultado é diferente: quando as moléculas produzidas são provenientes do ômega 3, o efeito nas células do sistema imune é fraco, ou seja, menos inflamatório.

Existem alguns componentes inflamatórios que conseguimos mensurar em exames de sangue, como a proteína C reativa (PCR) que é produzida em grande quantidade no fígado em resposta à inflamação no organismo e a interleucina 6 (IL-6). O consumo de ômega 3 em pacientes acima do peso com os níveis s foi eficiente em reduzir os níveis de PCR e IL-6 no sangue, que reafirma o papel desta gordura na redução da inflamação crônica e seu efeito cardioprotetor. Entretanto, ainda é necessário mais estudos em humanos para ter maior precisão sobre os mecanismos moleculares pelos quais o ômega 3 reduz a inflamação no organismo.

Por conta deste efeito anti-inflamatório do ômega 3, sendo cada vez mais elucidado em estudos, os profissionais da saúde utilizam cada vez mais o aumento do seu consumo em doenças crônicas ligadas a inflamação, como as doenças do coração, diabetes, câncer, hipertensão, além das doenças inflamatórias de pele e das articulações, podendo contribuir com melhora dos sintomas e redução da sensação de dor.

Para quem é indicado?

Todos nós temos diversos fatores no dia a dia que aumentam a nossa inflamação, como o próprio estilo de vida carregado de estresse, sedentarismo e alimentação monótona e inadequada em relação aos nutrientes. Alimentos ricos em açúcar e corantes, como refrigerantes e gelatinas, doces e balas, assim como o excesso de bebida alcoólica e carnes processadas, como o presunto e o peito de peru, contribuem com o aumento da inflamação no corpo, por isso, aumentar o consumo de anti-inflamatórios naturais, assim como procurar reduzir o consumo destes que pioram a saúde, é indicado para todo mundo de todas as idades como prevenção. Para quem já possui uma doença inflamatória como artrite, dores articulares, obesidade, diabetes mellitus, câncer, dores musculares persistentes, o ideal é caprichar ainda mais nessas substâncias, utilizando inclusive a suplementação para ajudar a melhorar o quadro, ao lado do tratamento convencional indicado pelo profissional de saúde.

Vamos por em prática?

Abaixo, uma sugestão de cardápio de 3 dias que colabora na redução de inflamação no organismo:

Refeição Dia 1 Dia 2 Dia 3
Café da Manhã Iogurte natural batido com ¼ de abacate + 1 colher de café de mel de abelha + 1 colher de café de semente de chia

+ 1 fatia de pão integral com 1 ovo mexido com açafrão e pitada de sal

50 mL de café sem açúcar

+ omelete com 2 ovos, tomate, alho poró e curry

+ 1 fruta vermelha da sua preferência

300 mL de chá verde ou chá mate sem açúcar

+ 1 tapioca recheada com queijo cottage e orégano

Lanche da Manhã 1 banana + 1 col de sobremesa de pasta de amendoim sem açúcar+ canela em pó 1 maçã + 4 castanhas de caju + 5 sementes de abóbora 1 copo de suco verde:

-1 fatia de abacaxi

-1 folha de couve manteiga

-Gengibre a gosto

-1 colher de café de semente de linhaça

Almoço/Jantar ½ prato de salada com folhas verdes e legumes variados

+

100 gramas de posta de salmão grelhado + batatas assadas com tomate, cebola e pimentão, temperados com ervas finas e alho

½ prato de salada com folhas verdes e legumes variados

 

4 col de arroz integral + 2 col de sopa de feijão + frango grelhado ao curry e manjericão

Macarrão integral de atum ao molho de tomate 100% natural + brócolis e e couve-flor no vapor
Lanche da Tarde 1 copo pequeno de suco de laranja com acerola batido com gengibre

+ 2 biscoitos de arroz integral com creme cottage + manjericão + tomate fatiado

iogurte natural

+ 1 ameixa

+ 1 col de sopa de aveia

300 mL de Chá de hibisco

+ laranja

+2 castanhas do baru

Ref bibliográficas

  • ANDRADE, P.M.M.; CARMO, M.G.T. Ácidos graxos n-3: um link entre eicosanóides, infl amação e imunidade. Instituto de Nutrição Josué de Castro, Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2006.
  • FAINTUCH, J. Propriedades antiinflamatórias da farinha de linhaça em pacientes obesos. Rev Bras Nutr Clin 2006; 21(4):273-7.
  • Santos R.D., Gagliardi A.C.M., Xavier H.T., Magnoni C.D., Cassani R., Lottenberg A.M. et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. I Diretriz sobre o consumo de Gorduras e Saúde Cardiovascular. Arq Bras Cardiol.;100(1Supl.3):1-40, 2013.
  • KANTOR, E.D. et al. Association between use of specialty dietary supplements and C-reactive protein concentrations. AM J Epidemiol.; 176(11): 1002-1013, 2012.
  • López Farré A et al. Efectos antitrombóticos y antiinflamatorios de los ácidos grasos omega-3. Rev Esp Cardiol Supl. 2006;6:31D-7D.
  • BARBOSA, K. B. F.; VOLP, A. C. P.; RENHE, I. R. T.; STRINGHETA, P. C. Omega-3 and 6 fatty acids and implications on human health. Nutrire: rev. Soc. Bras. Alim. Nutr. = J. Brazilian Soc. Food Nutr., São Paulo, SP, v. 32, n. 2, p. 129-145, ago. 2007.
  • Safety and Anti-Inflammatory Activity of Curcumin: A Component of Tumeric (Curcuma longa). The Journal of Alternative and Complementary Medicine 9, No. 1, 2004.
  • Ismail, T., et al. Pomegranate peel and fruit extracts: A review of potential anti-inflammatory and anti-infective effects. Journal of Ethnopharmacology, v.143, n.2, P. 397-405, sept 2012.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *