Espelho, espelho meu: suplemento engorda?

Suplemento pode aumentar o apetite? Será que engorda?

Em primeiro lugar, nada de forma isolada engorda. Ufa! Ou seja, uma dieta equilibrada pode emagrecer mesmo com algumas excessões para alimentos mais energéticos como doces e farináceos. Esse ponto é importante e libertador, já que os alimentos não são vilões e bonzinhos, até os saudáveis em excesso pode levar ao aumento de peso, então o segredo de tudo é o equilibrio na ingestão do dia inteiro.

Os suplementos complementam a alimentação com nutrientes importantes para manter as pessoas saudáveis. O suplemento de vitaminas e minerais é sempre assombrado pela dúvida: será que essas vitaminas engordam?

Vitaminas e minerais não contém calorias! São nutrientes que não contribuem com energia para o corpo, mas são essenciais para o funcionamento do metabolismo. Por exemplo, o polivitamínico da Vem,Vida contém 0 kcal, ou seja, não contribui com as calorias da dieta e não contem açúcar na cápsula, só os nutrientes e a gelatina que compõe a cápsula. Tudo isso não gera nem 1 kcal por porção.

A dúvida que geralmente ocorre em consultório é: as vitaminas e minerais em suplemento aumentam o apetite?

Hoje vamos desmistificar isso de uma vez por todas e você vai poder consumir seu suplemento mais tranquilo.

A deficiencia de nutrientes é algo silencioso e muito cruel. O que acontece é que aos poucos, algumas vitaminas e minerais são consumidos de maneira insuficiente OU a demanda do corpo aumenta por conta de uma rotina ou situação estressante.

Então as células trabalham com mais esforço, já que alguns componentes estão faltando, o que pode gerar muitos sintomas, entre eles, a falta de apetite, cansaço e muita sonolência.

As manifestações clínicas iniciais da hipovitaminose C são a fadiga, perda de apetite, sonolência, palidez, falta de energia nos membros e articulações, irritabilidade, defeitos dentários, cicatrização lenta de pequenos ferimentos e presença de pequenas hemorragias na pele.

Já a deficiência de ferro, mais conhecida como anemia ferropriva, levam a falta de apetite (anorexia), fraqueza, tontura, irritabilidade, fadiga e palidez.

É importante entender que os nutrientes tem ação sinérgica, por exemplo, a vitamina C aumenta a absorção de ferro, portanto interfere no aumento do ferro no sangue e no número de células vermelhas, por isso muitos sintomas da deficiência de nutrientes distintos, pode ser a mesma.

A falta de zinco, um outro mineral, também interfere no paladar e no apetite.

As vitaminas do complexo B, quando deficientes no organismo, também levam a perda de apetite como sintoma, principalmente a vitamina B12.

Como você pode ver, a deficiencia de alguns nutrientes levam a falta de apetite por comida, não necessariamente reduz a vontade por alimentos mais palatáveis como doces e frituras, mas sim por frutas, verduras, carnes e cereais, que seriam a solução para o problema.

Por isso, a falta de nutrientes leva a sintomas ruins para a saúde das pessoas, mas não necessariamente a perda de peso como se pensava antigamente em uma pessoa desnutrida bem magra, com ossos muito aparentes.

Ao repor estes nutrientes que estavam em falta, o apetite pode voltar ao normal, mas não é aumentado pela ingestão de suplementos, que estão em dosagens suficientes para manutenção de saúde, e não em excesso.

Alguns medicamentos para aumento de apetite estão associados com algumas vitaminas do complexo B, já que a falta delas pode causar perda de apetite, pois atuam no metabolismo e na produção de energia pelo corpo. Porém, a medicação é muito mais eficiente no aumento de apetite, já que as vitaminas só normalizam o mecanismo da fome, que pode estar alterado por sua deficiência.

Resposta definitiva: Não, suplemento de vitaminas e minerais não engorda, não tem calorias nem causa aumento de apetite. Normalizam os níveis de vitaminas e minerais no sangue que, quando deficientes, pode ter como sintoma a falta de apetite e fraqueza.

Referências bibliográficas

COSTA, M.J.C., et al. Efeito da suplementação com acerola nos níveis sanguíneos de vitamina C e de hemoglobina em crianças pré-escolares. Rev. Nutr., Campinas, 14(1): 13-20, jan./abr., 2001.

Mahan,L.,K.; Stump S.,E. Vitaminas. In: Krause – Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. Cap. 6. São Paulo: Roca,p. 94 – 111, 1998.

COZZOLINO S.M.F. Biodisponibilidade de nutrientes. 5 ed. barueri manole, p. 529-541, 2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *