Estudos comprovam a melhora de desempenho cognitivo em crianças, adolescentes e adultos.

Estudos comprovam a melhora de desempenho cognitivo em crianças, adolescentes e adultos

O período desde o nascimento até os 2 anos de vida é considerada a fase primária de crescimento do cérebro humano, levando em conta o aumento do seu peso. Entretanto, algumas áreas do cérebro não estão totalmente desenvolvidas, o que ocorre durante a infância e a adolescência.

O lobo frontal (Cortéx cerebral. Estende-se do pólo anterior do cérebro) é responsável por atividades cognitivas como foco, atenção e resolução de problemas, além de ter relação com o sistema límbico que está ligado com as emoções, desenvolvimento social e comportamental das crianças.

A mielina é uma substância que envolve os neurônios na função de proteção e melhor condução da informação. A parte frontal do cérebro tem picos de mielinização entre 2, 7 a 9 anos e durante toda a adolescência. Portanto, o desempenho cognitivo e até comportamental das crianças tem relação com o desenvolvimento do lobo frontal que ocorre durante esse período.

O consumo adequado diário de DHA é importante para garantir a composição adequada do sistema nervoso e olhos saudáveis.

O consumo adequado diário de ômega 3, principalmente um tipo especial chamado DHA, é importante para garantir a composição adequada do sistema nervoso e olhos saudáveis. O DHA participa do processo de mielinização dos neurônios, além disso, está associado com maior conteúdo neuronal já que representa 15% de todas as gorduras presentes no cérebro no córtex frontal.

Isso possibilita a melhor comunicação e transmissão de sinal entre neurônios, além de contribuir com efeitos anti-inflamatórios naturais e com formação da retina e sua lubrificação.

Por todos esses motivos o DHA é reconhecido como essencial para o funcionamento normal do cérebro, principalmente em relação ao aprendizado e memória em humanos, além da atividade visual normal.

No período da infância até a adolescência ocorre rápida maturação de neurônios e expansão da massa cinzenta cerebral, todos esses processos associados com o acúmulo de DHA no cérebro.

Crianças com baixo nível de ômega 3 apresentam sintomas como déficit de atenção e dislexia segundo estudos (JENSEN, 2005)

Crianças com baixo nível de ômega 3 apresentam sintomas como déficit de atenção e dislexia segundo estudos (JENSEN, 2005), o que corrobora com a participação desta gordura no comportamento e na memória de crianças e adolescentes em desenvolvimento. Até em adolescentes japoneses com este tipo de déficit, a concentração de DHA no sangue é menor, mesmo que a alimentação seja mais rica em ômega 3 do que as demais culturas no geral.

Estudo comprova que crianças e adolescentes com maior quantidade de DHA no sangue tem maior atividade cerebral e atenção nos estudos


Dois estudos, de McNamara (2010) e Boucher (2011) em crianças e a suplementação de DHA fizeram um teste para medir a atividade cerebral, que era melhor com quantidades maiores de DHA no sangue. Nos estudos fica mais claro que há aumento da quantidade de DHA no cérebro conforme o aumento da idade, principalmente a partir da adolescência e início da vida adulta, o que mostra a importância de manter um bom status de DHA neste momento.

Estudos fizeram a conexão entre a suplementação de DHA com mudanças de cognição (atenção aos estudos)

Um artigo muito completo, chamado de revisão sistemática, investigou estudos que fizeram a conexão entre a suplementação de DHA com mudanças de cognição (atenção aos estudos) e comportamento em crianças de 4 a 18 anos. Muitos estudos encontraram não apenas o baixo consumo de ômega 3 em crianças com menor desempenho cognitivo e problemas comportamentais como outros nutrientes importantes para o desenvolvimento neurológico e cognitivo, minerais como ferro, cálcio e zinco, vitaminas do complexo B, vitamina D e antioxidantes como vitamina C, E e betacaroteno.

Tudo isso corrobora com o fato de que em crianças e adolescentes a alimentação é essencial para obter energia e realizar as atividades diárias. Porém, neste período de muito estudo e desenvolvimento cognitivo, a alimentação não apenas fornece energia mas também é essencial em fornecer nutrientes que interferem no sistema nervoso e, portanto, no aprendizado.

Para o cérebro funcionar eficientemente na vida adulta, é fundamental que ele tenha se desenvolvido de forma adequada no início da vida. A formação do sistema nervoso começa com o tubo neural no feto dentro do útero da mãe, por isso, é de extrema importância que a alimentação durante a gestação seja rica em nutrientes específicos como vitaminas, minerais e gorduras essenciais como ômega 3.

A alimentação da mãe é sempre complementada com suplementos específicos com vitaminas e minerais enriquecidos com ômega 3 durante toda a gestação. A placenta do bebê tem alta seletividade para DHA, ou seja, é um tipo de gordura que passa facilmente pela placenta por conta da necessidade do desenvolvimento do sistema nervoso central do bebê inclusive nos dias após o nascimento.

O DHA além de exercer efeito positivo no crescimento infantil, é a gordura com maior presença na retina dos olhos. Aproximadamente 15% do peso do cérebro e 50% do peso seco são formados por gorduras. Altas concentrações de DHA na retina e na massa cinzenta do cérebro sugerem que o ômega 3 têm importante função no processo visual e neural.

Grande parte dos adolescentes aqui no Brasil não tem alimentação balanceada. O que acontece com nosso corpo e mente na adolescência?

A refeição baseada em lanches é frequente na adolescência, afetando a ingestão diária de macronutrientes, vitaminas e minerais.

As vitaminas do complexo B são necessárias para a produção de energia e formação de neurotransmissores importantes para a memória e aprendizado. Vitaminas antioxidantes como a vitamina C também merecem atenção especial, assim como os minerais importantes na formação óssea como o cálcio.

Entre as gorduras é necessário atenção especial:

Enquanto alimentos fritos, industrializados, refeições congeladas e fastfood possuem grande quantidade de gordura saturada, o consumo de gorduras poli-insaturadas do tipo ômega 3 presente principalmente em peixes de águas frias e profundas e sementes como a linhaça é muito reduzido, sendo necessário assim melhorar o padrão alimentar e considerar a suplementação como uma alternativa para manter o bom funcionamento do sistema nervoso, assim como a retina dos olhos.

Segundo a OMS, a dosagem de até 2 gramas de ômega 3 na forma de suplemento por dia é segura para adolescentes, sendo a recomendação de ingestão em torno de 250 mg de Ômega 3 diária na alimentação e/ou suplementação para o desenvolvimento normal e saudável até os 18 anos. Após essa faixa etária a dose aumenta para pelo menos 500 mg por dia.

Isso indica que a suplementação pode ser uma boa saída quando a alimentação não está 100% equilibrada ou quando a demanda do sistema nervoso é aumentada. Se você procura foco, estudar e preservar a memória e desempenhar bem em provas e trabalhos, o consumo de nutrientes é essencial e pode fazer a diferença na hora do resultado e de quem vai pegar o primeiro lugar. Os detalhes fazem a diferença e a Vem, Vida pensou nisso e trouxe produtos de ponta para você. Vem com a gente pegar o pódio, Vem, Vida.

Autora: Dra. Juliana Ramos, Nutricionista.

Formada pela USP em nutrição, pós-graduada em nutrição clínica funcional e coach de saúde pela Sociedade Brasileira de Coaching. Ela também é co-autora do livro Emagreça Sem Segredos. Atua como nutricionista clínica em consultório em São Paulo e também em inovação para suplementos segmentados para saúde e bem-estar desde 2015. A Juliana compõe o time da Vem, Vida que busca mudar a vidas das pessoas que desejam viver melhor, por mais tempo.

Nossa linha de suplementos impulsiona o seu melhor para que a vida te ofereça o melhor dela.

Ref Bibliográficas

DARCEY, V.L., MCQUAID, G.A., FISHBEIN, D.H., VANMETER, J.W. Dietary Long-Chain Omega-3 Fatty Acids Are Related to Impulse Control and Anterior Cingulate Function in Adolescents. Front Neurosci.,p: 12:1012, 2019.

YONEZAWA, K. et al. Investigation into the plasma concentration of ω3 polyunsaturated fatty acids in Japanese attention-deficit hyperactivity disorder patients. J Neural Transm (Vienna),p.125(9)p.1395-1400, 2018.

KURATKO, C.N, et al. The relationship of docosahexaenoic acid (DHA) with learning and behavior in healthy children: a review. Nutrients,v.5, n.7,p.2777-810, 2013.

PINHEIRO, M. FUNDAMENTOS DE NEUROPSICOLOGIA – O DESENVOLVIMENTO CEREBRAL DA CRIANÇA. Vita et Sanitas, Trindade/Go, v. 1, n . 01, 2007.

MENEZES, L.S.P, et al. A alimentação na infância e adolescência: uma revisão bibliográfica. Revista Médica de Minas Gerais 2011.

JENSEN, C.L, et al. Effects of maternal docosahexaenoic acid intake on visual function and neurodevelopment in breastfed term infants. Am J Clin Nutr, 82,p.125-32, 2005.

MCNAMARA, R.K., ABLE, J., JANDACEK, R.; et al. Docosahexaenoic acid supplementation increases prefrontal cortex activation during sustained attention in healthy boys: A placebo-controlled, dose-ranging, functional magnetic resonance imaging study. Am. J. Clin. Nutr.,v.91, p.1060–1067, 2010.

BOUCHER, O., BURDEN, M.J., MUCKLE, G.; et al. Neurophysiologic and neurobehavioral evidence of beneficial effects of prenatal omega-3 fatty acid intake on memory function at school age. Am. J. Clin. Nutr., V.93, p.1025–1037, 2011.

RICHARDSON, A.J. Clinical trials of fatty acid treatment in ADHD, dyslexia, dyspraxia and the autistic spectrum. Prostaglandins Leukot. Essent. Fatty Acids , v.70, p.383–390, 2004.

RICHARDSON, A.J., MONTGOMERY, P. The Oxford-Durham study: A randomized, controlled trial of dietary supplementation with fatty acids in children with developmental coordination disorder. Pediatrics, v.115, p.1360–1366, 2005.

O’CONNOR, D.L., HALL, R., ADAMKIN, D., et al. Growth and development in preterm infants fed long-chain polyunsaturated fatty acids: a prospective randomized controlled trial. Pediatrics, v.108, p.359-71, 2001.

ANVISA. Justificativas para os limites mínimos e máximos de nutrientes, substâncias bioativas e enzimas da proposta regulatória de suplementos alimentares. Brasília-DF, janeiro de 2018.

UND Life Sciences (DAS Un). Perinatal supplementation of long-chain polyunsaturated fatty acids, immune response and adult diseases. Med Sci Monit , v.10, p.HY19-25, 2004.

EFSA Panel on Dietetic Products, Nutrition and Allergies (NDA). Scientific Opinion on the Tolerable Upper Intake Level of eicosapentaenoic acid (EPA), docosahexaenoic acid (DHA) and docosapentaenoic acid (DPA). EFSA Journal; 10(7):2815, 2012.

TINOCO, S.M.B, et al. Importância dos ácidos graxos essenciais e os efeitos dos ácidos graxos trans do leite materno para o desenvolvimento fetal e neonatal. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.23, n.3, p.:525-534, mar, 2007.

 

 

2 thoughts on “Estudos comprovam a melhora de desempenho cognitivo em crianças, adolescentes e adultos”

  1. Boa tarde, gostei do artigo, minha filha tem dislexia gostaria de saber ma para ajudá-la ela tem 20 anos e está cursando o último ano do segundo grau. Tenho muitas dúvidas à respeito.

    1. Olá Angela, tudo bem? Certamente o mais indicado é vc buscar ajuda médica. Nossos suplementos são para complementar a alimentação, aumentado a saúde das pessoas. Se pudermos ajudar e mais alguma coisa, por favor, nos diga. Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *