Vitamina D é demais. Saiba tudo e seus benefícios

O que é Vitamina D?

A vitamina D é a mais falada e mais solicitada nos exames atualmente, tanto em hospitais quanto clínicas na prevenção de doenças por diversos profissionais da saúde.
Isso porque a vitamina D não é apenas um micronutriente com ação no metabolismo igual aos demais:
A vitamina D tem ação hormonal, por isso é tão importante garantir seus níveis adequados quando falamos de saúde em geral.
Estima-se que mais de 1 bilhão de pessoas no mundo tenham níveis baixos de vitamina D (ou calciferol), uma verdadeira “epidemia” de hipovitaminose D, com possíveis consequências graves para a saúde da população.

Os níveis de vitamina D no sangue são influenciados por muitos fatores, como:

1) Exposição solar: o uso de protetor solar de fator 30 diminui a produção de vitamina D em mais de 95%.

2) Atividade física: Manter-se ativo principalmente ao ar livre colabora com bons níveis desta vitamina.

3) Estado nutricional e idade: interferência por cirurgias como a bariátrica. Com o avanço da idade, observa-se maior deficiência de vitamina D, seja por menor absorção da alimentação, menor exposição ao sol e redução de hormônios sexuais como o estrógeno em mulheres após a menopausa.

4) Pigmentação da pele: negros necessitam de 3 a 5 vezes mais exposição ao sol que brancos para produzirem as mesmas quantidades de vitamina D porque peles negras apresentam limitação à penetração de raios ultravioleta.

5) Medicações de uso contínuo: anticonvulsivantes e drogas antirretrovirais aceleram o catabolismo da vitamina D.

6) Doenças como obesidade e insuficiência renal crônica: o tecido adiposo sequestra a vitamina D e o rim é importante para a reação final desta vitamina a fim de tornar-se ativa para agir no organismo.

Sabe quais são as principais fontes alimentares da vitamina D?

Os principais alimentos com vitamina D são: peixes como salmão, cavala, atum e bacalhau e outras fontes como gema de ovo e cogumelos.
Mesmo com um bom consumo destes alimentos, a necessidade da exposição solar ainda é grande para garantir níveis adequados. Após a exposição da pele aos raios UVB, a pré-vitamina D3 sofre reações e fica disponível no sangue em 30 a 60 dias após a exposição solar. No sangue, a vitamina D3 (a mesma que temos de alimentos e suplementos) sofre reações no fígado e rins para produzir a sua forma ativa que dura poucas horas no corpo e tem a ação hormonal: calcitriol.

Principais ações benéficas da vitamina D:

1. Participa da saúde óssea, ajuda na prevenção e no tratamento de doenças ósseas (osteoporose e fraturas), porque garante a absorção intestinal de cálcio e fósforo.

2. Participa da melhora do controle da glicose no sangue através da melhora da sensibilidade à insulina, indicada para pessoas com diabetes mellitus.

3. A deficiência de vitamina D está relacionada com o aumento da incidência de doenças como hipertensão arterial, doenças do coração, diabetes e câncer, segundo estudos recentes.

4. Está envolvida com a síntese proteica muscular e melhora da força e performance física em idosos, auxiliando também na redução de quedas nesta faixa etária.

5. A vitamina D está relacionada com a melhora da imunidade, da barreira intestinal e de sintomas de doenças autoimunes, como: diabetes, esclerose múltipla, doença inflamatória intestinal, lúpus e artrite reumatoide, segundo estudos.

6. A vitamina D participa da síntese e renovação de neurônios, assim como da formação de neurotransmissores responsáveis por foco e humor (GABA, serotonina, dopamina e acetilcolina).

As medidas da Vitamina D

A medida para vitamina D são microgramas ou unidades internacionais. Por isso, parece difícil entender e pode parecer uma dosagem muito grande, entretanto, 1 micrograma corresponde a 1000 miligramas, então 10 mcg de vitamina D corresponde a 400 UI. Apenas o número parece grande, a quantidade nem tanto.
As necessidades de vitamina D são de 600 UI/dia para pessoas até 70 anos, aumentando para 800 UI em pessoas acima de 70 anos.

Cada um de nós tem necessidades diferentes

A forma ideal para saber o quanto suplementar é através de análise do exame de sangue laboratorial de vitamina D (25-hidroxivitaminaD). Por isso, é muito desafiador usar uma dosagem única para a população, é preciso saber se a pessoa está deficiente e o quanto. Além disso, hoje temos um padrão de referência para este exame de sangue, entretanto, é muito discutido que doses maiores, principalmente em portadores de doenças autoimunes, podem ser benéficas.

Para saber a dosagem ideal para você o ideal é procurar um profissional da área da saúde que saiba avaliar seus exames, a exposição solar, consumo das fontes alimentares (e se há correta absorção a partir de um intestino saudável) e avaliar assim a necessidade de suplementação e a quantidade.
É importante salientar que a vitamina D tem múltiplas ações no organismo que são muito importantes, além da homeostase de cálcio como se imagina, e a suplementação pode ser necessária ao longo da vida para manter nossos níveis adequados e evitar os efeitos da sua deficiência correlacionados a outras doenças.

Quer ter um aporte de vitamina D todos os dias?
Veja os benefícios do Polivitamínico Vem, Vida

Referências Bibliográficas

LICHTENSTEIN, Arnaldo et al. Vitamina D: ações extraósseas e uso racional. Revista Associação Médica Brasileira. p.495–506, 2013.

MARQUES, C.D.L.; DANTAS, A.T.; FRAGOSO, T.S.; DUARTE, A.L.B.P. A importância dos níveis de vitamina D nas doenças autoimunes. Rev. bras. reumatol; 50(1):67-80, 2010.

MIRHOSSEINI, N., VATANPARAST, H. et al. Vitamin D Supplementation, Glycemic Control, and Insulin Resistance in Prediabetics: A Meta-Analysis. J Endocr Soc.,Jul 1; 2(7): 687–709, 2018.

BANDEIRA, F.; GRIZ, L.; DREYER, P. et al. Vitamin D deficiency: a global perspective. Arq Bras Endocrinol Metabol, 50(4):640-6, 2006.

CANTORNA, M.T., MAHON, B. Mounting evidence for vitamin D as an environmental factor affecting autoimmune disease prevalence. Exp Bio Med (Maywood); 229(11):1136-42, 2004.

PINTO, R.D., FERRI, C., COMINELLI, F. Vitamin D Axis in Inflammatory Bowel Diseases: Role, Current Uses and Future Perspectives. Int J Mol Sci.; 18(11): 2360, 2017.

DE SPIEGELEER,A., et al. Pharmacological Interventions to Improve Muscle Mass, Muscle Strength and Physical Performance in Older People: An Umbrella Review of Systematic Reviews and Meta-analyses. Drugs Aging;35(8):719-734, 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *